Hot Widget

Type Here to Get Search Results !

Ads

Drones do Hezbollah criam um campo de batalha complexo no norte de Israel

 

Desde o início da guerra, cerca de 20.000 drones, UAVs e foguetes do Hezbollah voaram através do espaço aéreo de Israel e o terreno montanhoso torna difícil saber contra quem se está a retaliar; As IDF estão constantemente melhorando sua capacidade de detecção, mas o proxy iraniano também não está descansando sobre os louros.

No meio das manobras tácticas das FDI em Gaza, a Força Aérea e a Divisão de Defesa Aérea estiveram envolvidas numa luta complexa e de Sísifo durante quase nove meses. Os holofotes foram voltados mais uma vez para a questão da defesa aérea na terça-feira, quando o Hezbollah divulgou um vídeo colorido de alta definição mostrando imagens de drones de locais sensíveis na área da Baía de Haifa. Esta filmagem não só abalou o público, mas também alimentou a guerra psicológica travada pela organização terrorista

O drone de reconhecimento do Hezbollah é um dispositivo minúsculo equipado com uma câmara GoPro, capaz de voar dezenas de quilómetros, mas sem capacidade para transportar ou largar armas. Segundo as IDF, foi monitorado e foi tomada a decisão de não interceptá-lo por não ser uma arma ofensiva.

Ainda assim, não há como negar que o desafio colocado pelos drones no conflito do Norte está a intensificar-se. Durante a guerra, os drones explosivos do Hezbollah infligiram baixas e danos significativos em Israel.

A Força Aérea começou a enfrentar esta ameaça há mais de uma década. A primeira interceptação de drones na Faixa de Gaza ocorreu em 2021 durante a Operação Guardião dos Muros. Embora o Iron Dome não tenha sido originalmente projetado para combater drones, a Força Aérea o vem adaptando para fornecer uma resposta adequada. O principal problema com os drones, especialmente os do Líbano, é a curta distância até às casas dos residentes do Norte, o que não permite a detecção precoce.
yk13970141
( Foto de cortesia )
Para detectar essas ameaças, a Força Aérea emprega caças que também podem realizar interceptações. Esta estratégia foi utilizada durante a noite do ataque iraniano, quando dezenas de combatentes estavam no ar, identificando e interceptando drones com mísseis ar-ar. Uma abordagem semelhante foi adoptada há cerca de uma semana, após o assassinato de um importante líder do Hezbollah no Líbano.
Aumentando a complexidade está a topografia. Ao contrário do terreno plano da Faixa de Gaza, o norte montanhoso apresenta desafios significativos para os sensores que tentam localizar drones.
Cerca de 20.000 alvos aéreos de vários tipos foram lançados contra Israel desde o início da guerra
A gestão de alertas face a esta ameaça também requer uma abordagem diferente. Os drones podem manobrar de forma imprevisível, parando ou detonando a qualquer momento e local. Assim, um alerta é acionado sempre que se aproxima de uma área específica, criando um cenário de “alertas em cadeia”.

As estimativas sugerem que cerca de 20.000 alvos aéreos de vários tipos foram lançados contra Israel desde o início da guerra. Isto levanta a questão: por que existem tantos alarmes falsos? A Força Aérea decidiu agir com cautela, o que significa que qualquer coisa pode acionar o sistema. Por exemplo, pássaros e guindastes com ângulos de voo semelhantes aos dos drones podem ativar os sensores sensíveis. Além disso, os disparos de bala para o ar, como acontece frequentemente na região fronteiriça de Gaza, também desencadeiam estes alertas.




Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.

Top Post Ad

Below Post Ad

Ads Section