Hot Widget

Type Here to Get Search Results !

Ads

Macron e judeus franceses pedem ação após estupro antissemita de menina de 12 anos

 

A ministra da Educação francesa, Nicole Belloubet, disse nas redes sociais que o crime contra a vítima era abominável e que a resposta a tal “barbárie” foi “Justiça, Escola, República”.


A polícia francesa monta guarda enquanto um membro da perícia coleta evidências depois que policiais mataram a tiros um homem armado que ateou fogo à sinagoga da cidade em Rouen, França, em 17 de maio de 2024. (crédito da foto: REUTERS/GONZALO FUENTES)
A polícia francesa monta guarda enquanto um membro da perícia coleta evidências depois que policiais mataram a tiros um homem armado que ateou fogo à sinagoga da cidade em Rouen, França, em 17 de maio de 2024.
(crédito da foto: REUTERS/GONZALO FUENTES)

O presidente francês, Emmanuel Macron,  apelou à ministra da Educação, Nicole Belloubet, “para organizar uma discussão em todas as escolas sobre a luta contra o anti-semitismo e o racismo, para evitar que discursos de ódio com graves consequências se infiltrem nas escolas”.

Belloubet disse nas redes sociais que o crime contra a vítima foi abominável e que a resposta a tal “barbárie” foi “Justiça, Escola, República”.  

Grupos judeus franceses expressaram indignação na terça-feira após relatos de que uma menina de 12 anos foi estuprada por ser judia.


Collectif Nous Vivrons, um grupo ativista, convocou protestos na quarta-feira em resposta a uma reportagem do Le Parisien de que meninos de 12, 13 e 14 anos foram presos por espancar e estuprar coletivamente a vítima no último sábado porque ela havia escondido sua religião de seu ex. -namorado, um dos suspeitos.

“Por que você ainda não está na rua?” perguntou o grupo ativista. “Porque você se acostumou com crimes anti-semitas! Quando você vai acordar?

O presidente francês Emmanuel Macron fala durante uma conferência de imprensa sobre as prioridades do seu partido Renascentista e dos seus aliados antes das eleições legislativas antecipadas em Paris, França, 12 de junho de 2024. (crédito: REUTERS/STEPHANE MAHE)Ampliar imagem
O presidente francês Emmanuel Macron fala durante uma conferência de imprensa sobre as prioridades do seu partido Renascentista e dos seus aliados antes das eleições legislativas antecipadas em Paris, França, 12 de junho de 2024. (crédito: REUTERS/STEPHANE MAHE)

O rabino-chefe francês Haim Korsia culpou os partidos de esquerda radical pelo aumento do anti-semitismo no país numa declaração da Conferência de Rabinos Europeus na quarta-feira. Ele criticou a esquerda por negar as atrocidades de 7 de Outubro, acrescentando que “em vez de acalmar a situação nas ruas, incita o anti-semitismo, o que leva a casos como o actual caso de violação”.

Aumento do antissemitismo na França

“Este caso chocante junta-se a uma longa lista de casos violentos vividos por judeus franceses nos últimos meses. Assistimos a um aumento alarmante na taxa de manifestações de anti-semitismo em toda a França. Se, num ano normal, estávamos habituados a ver cerca de 400 casos de violência contra judeus, apenas nos três meses após Outubro, testemunhamos quase 1.600 casos”, disse Korsia. “Os judeus são perseguidos, estuprados, espancados, condenados ao ostracismo e marcados. Já não estamos apenas a lutar pela legitimidade do Estado de Israel para proteger a sua segurança; estamos lutando pela proteção dos judeus em todo o mundo.”


O Conselho Representativo das Instituições Judaicas da França (CRIF) instou na quarta-feira as autoridades a esclarecerem mais as circunstâncias e a motivação anti-semita. O Congresso Judaico Europeu fez eco aos apelos por mais informações e disse que os seus “pensamentos estão com a vítima e a sua família”.

A União dos Estudantes Judeus em França também ofereceu apoio e disse no X que “o ódio a Israel leva a uma violência anti-semita insustentável. Aqueles que negam são responsáveis ​​por isso.”

Segundo o Le Parisien, os investigadores encontraram comentários anti-semitas e uma imagem de uma bandeira israelense queimada no celular do ex-namorado. Um segundo menor teria dito à polícia que espancou a menina porque ela fez comentários negativos sobre a “Palestina”.

A Fondation des Femmes disse nas redes sociais na quarta-feira que o crime sexista e anti-semita abalou a organização pelos direitos das mulheres.

“A violação é uma ferramenta de destruição ao serviço do ódio, e quando crianças violam crianças, é a sociedade como um todo que deve questionar-se sobre a sua responsabilidade face à violência, ao anti-semitismo e à misoginia em casa”, afirmou o Fundação. 

A Reuters contribuiu para esta matéria

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.

Top Post Ad

Below Post Ad

Ads Section