Hot Widget

Type Here to Get Search Results !

Ads

Quem é o chefe do grupo mercenário russo criticando o papel dos militares na Ucrânia?

 Quem é o chefe do grupo mercenário russo criticando o papel dos militares na Ucrânia?
Quem é o chefe do grupo mercenário russo criticando o papel dos militares na Ucrânia?

ARQUIVO - Yevgeny Prigozhin, proprietário da empresa militar Wagner Group, chega durante uma cerimônia fúnebre no cemitério Troyekurovskoye em Moscou, Rússia, sábado, 8 de abril de 2023. Prigozhin está ameaçando retirar suas tropas da batalha prolongada pelo leste Cidade ucraniana de Bakhmut na próxima semana.  Ele acusou o comando militar da Rússia na sexta-feira, 5 de maio, de privar suas forças de munição e torná-las incapazes de lutar.  (Foto AP, arquivo)

O chefe do empreiteiro militar privado russo, Wagner, voltou a um tema familiar esta semana - criticando a liderança militar do país por falhas na guerra na Ucrânia. Isso é algo que apenas alguns poucos podem fazer publicamente sem receber represálias do Kremlin.
Desta vez, no entanto, eles vieram quando Moscou pôde se gabar de uma vitória rara e extremamente necessária na guerra de 15 meses na Ucrânia, quando Prigozhin e seus combatentes ergueram uma bandeira russa na cidade de Bakhmut, no leste, após uma longa e sangrenta batalha.
Ele transformou aquele momento de triunfo em uma oportunidade poucos dias depois de reclamar sobre os fracassos da Rússia na Ucrânia.
Uma olhada no papel de Prigozhin e Wagner, de 61 anos, na guerra:
O QUE PRIGOZHIN DISSE?
Usando linguagem rude e grosseira em uma entrevista em vídeo de quase 80 minutos na terça-feira para um estrategista político pró-Kremlin, Prigozhin disse que “de alguma forma nada está funcionando para nós” na Ucrânia.
Ele voltou a uma linha do Kremlin no início da guerra em fevereiro de 2022. No início da guerra, o presidente Vladimir Putin tentou justificar a invasão dizendo falsamente que era uma campanha contra os “nazistas”, embora a Ucrânia tivesse um presidente judeu. que perdeu parentes no Holocausto e que lidera um governo democraticamente eleito apoiado pelo Ocidente.
“Viemos rudemente (para a Ucrânia), andamos com nossas botas por toda a Ucrânia em busca de nazistas. Enquanto procurávamos por nazistas, matamos todos que podíamos”, disse Prigozhin, citando retiradas de áreas ao redor de Kiev e da cidade de Kherson, no sul.
A Rússia não conseguiu “desmilitarizar” a Ucrânia, um dos objetivos declarados por Putin no primeiro dia da invasão, mas transformou o exército de Kiev em “um dos mais fortes” do mundo, com equipamentos e treinamento de maior qualidade.
Comentando sobre Bakhmut, Prigozhin disse que perdeu cerca de 20.000 homens de seu exército particular.
QUAL É A HISTÓRIA DE PRIGOZHIN?
Prigozhin foi condenado por roubo e agressão em 1981 e sentenciado a 12 anos de prisão. Após sua libertação, ele abriu um restaurante em São Petersburgo na década de 1990. Foi nessa função que ele conheceu Putin, então vice-prefeito da cidade.
Prigozhin usou essa conexão para desenvolver um negócio de catering e ganhou contratos lucrativos com o governo russo que lhe renderam o apelido de “chef de Putin”. Mais tarde, ele se expandiu para outras áreas, incluindo a mídia e uma infame “fábrica de trolls” da Internet que levou ao seu indiciamento nos EUA por intromissão nas eleições presidenciais de 2016.
Em janeiro, Prigozhin reconheceu ter fundado, liderado e financiado a obscura empresa Wagner.
ONDE A WAGNER ATUA?
Wagner foi visto pela primeira vez em ação no leste da Ucrânia logo após o início de um conflito separatista em abril de 2014 , nas semanas seguintes à anexação da península ucraniana da Criméia pela Rússia.
Embora apoie a insurgência separatista em Donbass, o coração industrial do leste da Ucrânia, a Rússia negou o envio de suas próprias armas e tropas para lá, apesar de amplas evidências em contrário. O envolvimento de empreiteiros privados na luta permitiu a Moscou manter um certo grau de negação.
A companhia de Prigozhin se chamava Wagner devido ao apelido de seu primeiro comandante, Dmitry Utkin, um tenente-coronel aposentado das forças especiais do exército russo. Logo estabeleceu uma reputação de brutalidade e crueldade .
O pessoal de Wagner também foi enviado para a Síria , onde a Rússia apoiou o governo do presidente Bashar Assad em uma guerra civil. Na Líbia , lutaram ao lado das forças do comandante Khalifa Hifter. O grupo também operou na República Centro-Africana e no Mali .
Prigozhin teria usado a implantação de Wagner na Síria e em países africanos para garantir contratos lucrativos de mineração. A subsecretária de Estado dos EUA, Victoria Nuland, disse em janeiro que a empresa estava usando seu acesso a ouro e outros recursos na África para financiar operações na Ucrânia.
Alguns meios de comunicação russos alegaram que Wagner estava envolvido nos assassinatos de 2018 de três jornalistas russos na República Centro-Africana que investigavam as atividades do grupo. Os assassinatos permanecem sem solução.
QUAL É A REPUTAÇÃO DE WAGNER?
Países ocidentais e especialistas da ONU acusaram os mercenários de Wagner de abusos dos direitos humanos em toda a África, inclusive na República Centro-Africana, Líbia e Mali.
Em 2021, a União Europeia acusou o grupo de “graves abusos dos direitos humanos, incluindo tortura e execuções e assassinatos extrajudiciais, sumários ou arbitrários” e de realizar “atividades desestabilizadoras” na República Centro-Africana, Líbia, Síria e Ucrânia.
Surgiu um vídeo com a intenção de mostrar algumas das atividades que contribuíram para a temível reputação de Wagner.
Um vídeo online de 2017 mostrou um grupo de pessoas armadas, supostamente empreiteiros de Wagner, torturando um sírio e espancando-o até a morte com uma marreta antes de mutilar e queimar seu corpo. As autoridades russas ignoraram os pedidos da mídia e de ativistas de direitos humanos para investigar.
Em 2022, outro vídeo mostrou um ex-empreiteiro da Wagner espancado até a morte com uma marreta depois que ele supostamente fugiu para o lado ucraniano e foi repatriado. Apesar da indignação pública e das demandas por uma investigação, o Kremlin fez vista grossa.
QUAL É O PAPEL DE WAGNER NA UCRÂNIA?
Wagner assumiu um papel cada vez mais visível na guerra, já que as tropas regulares russas sofreram forte atrito e perderam território em reveses humilhantes.
Prigozhin visitou as prisões russas para recrutar combatentes, prometendo perdão se eles sobrevivessem a uma missão de meio ano na linha de frente com Wagner.
Na entrevista desta semana, ele disse que recrutou 50.000 condenados, cerca de 10.000 dos quais foram mortos em Bakhmut; um número semelhante de seus próprios lutadores morreram lá.
Ele disse ter 50.000 homens à sua disposição “nos melhores momentos”, com cerca de 35.000 na linha de frente o tempo todo. Ele não disse se esses números incluíam condenados.
Os EUA estimaram que Wagner tinha cerca de 50.000 combatentes na Ucrânia, incluindo 10.000 contratados e 40.000 condenados. Uma autoridade dos EUA disse que quase metade dos 20.000 soldados russos mortos na Ucrânia desde dezembro eram tropas de Wagner em Bakhmut.
Os EUA avaliam que Wagner está gastando cerca de US$ 100 milhões por mês na luta. Em dezembro, Washington acusou a Coreia do Norte de fornecer armas, incluindo foguetes e mísseis, à empresa russa, violando as resoluções do Conselho de Segurança da ONU. Tanto Wagner quanto a Coreia do Norte negaram os relatórios.
COMO PRIGOZHIN CRITICOU AS FORÇAS ARMADAS DA RÚSSIA?
Se a acusação dos EUA for verdadeira, o alcance de Wagner por armas norte-coreanas pode refletir sua longa disputa com a liderança militar russa, que data da criação da empresa.
Prigozhin reivindicou todo o crédito em janeiro pela captura da cidade de mineração de sal de Donetsk, Soledar, e acusou o Ministério da Defesa da Rússia de tentar roubar a glória de Wagner. Ele reclamou repetidamente que os militares russos falharam em fornecer a Wagner munição suficiente para capturar Bakhmut e ameaçaram retirar seus homens.
Tropas supostamente contratadas por Wagner na Ucrânia gravaram um vídeo no qual despejavam xingamentos e acusações sobre o chefe do Estado-Maior do exército russo, general Valery Gerasimov, por não fornecer munição.
Prigozhin também destacou o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, por críticas severas, acusando os líderes militares de incompetência. Suas queixas frequentes não têm precedentes no sistema político rigidamente controlado da Rússia, no qual apenas Putin poderia fazer tais críticas.
O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby, disse na quarta-feira que os comentários de Prigozhin criticando a guerra “podem ser uma espécie de maneira mórbida dele... o Ministério da Defesa ainda que o custo foi suportado em sangue e tesouro por Wagner, e não pelos militares russos.
Outrora uma figura sombria, Prigozhin tem cada vez mais elevado seu perfil público, vangloriando-se quase diariamente sobre as supostas vitórias de Wagner, zombando sardonicamente de seus inimigos e reclamando do alto escalão militar.
Questionado recentemente sobre uma comparação na mídia dele com Grigory Rasputin, um místico que ganhou influência fatal sobre o último czar da Rússia ao afirmar ter o poder de curar a hemofilia de seu filho, Prigozhin retrucou: “Eu não paro sangue, mas derramo sangue de os inimigos de nossa pátria”.
Siga a cobertura da AP sobre a guerra na Ucrânia:
https://apnews.com/hub/russia-ukraine-war

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.

Top Post Ad

Below Post Ad

Ads Section