Hot Widget

Type Here to Get Search Results !

Ads

Blinken enfatiza os direitos das pessoas de fazerem suas vozes serem ouvidas


O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken (à esquerda), aperta a mão do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu durante coletiva de imprensa em Jerusalém em 30 de janeiro de 2023. (RONALDO SCHEMIDT / POOL / AFP)
O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken (à esquerda), aperta a mão do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu durante coletiva de imprensa em Jerusalém em 30 de janeiro de 2023. (RONALDO SCHEMIDT / POOL / AFP)

Falando ao lado do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu após sua reunião individual, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, fala longamente sobre os “interesses e valores compartilhados” na base do relacionamento EUA-Israel.

Blinken apresenta uma lista dos principais valores democráticos, incluindo os direitos das minorias, o estado de direito, uma imprensa livre, uma sociedade civil ativa e “os direitos das pessoas de fazerem suas vozes serem ouvidas”.

“A vibração da sociedade civil de Israel tem estado em plena exibição ultimamente”, diz ele, em uma aparente referência às manifestações contra os planos de revisão judicial da coalizão.

“O compromisso das pessoas em ambos os países de fazer ouvir suas vozes, de defender seus direitos, é um dos pontos fortes únicos de nossas democracias”, diz ele. “Outro é o reconhecimento de que a construção de consenso para novas propostas é a maneira mais eficaz de garantir que sejam adotadas e perdure.”

O principal diplomata dos EUA diz que os dois países devem se manter "nos padrões mútuos que estabelecemos".

Ele e Netanyahu tiveram “uma conversa franca” sobre essas questões, diz ele.

Blinken também aponta em suas observações que a expansão dos Acordos de Abraham “não é um substituto para a paz entre Israel e Palestina”.

Ele diz que a melhor maneira de garantir “medidas iguais” de liberdade, segurança, oportunidade, proteção, justiça e dignidade “é preservando e realizando a visão de dois estados”.

As autoridades americanas geralmente não falam em “preservar” a solução de dois Estados. O termo é provavelmente um reflexo do nervosismo sobre as ações israelenses que, aos seus olhos, minam a possibilidade de tal realidade a longo prazo.

Blinken também se esforça para mencionar o apoio dos EUA à “coexistência religiosa” em Jerusalém e “manter o status quo no Monte do Templo/Haram al Sharif”.

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.

Top Post Ad

Below Post Ad

Ads Section