Hot Widget

Type Here to Get Search Results !

Ads

O ataque do Hamas a Israel

O ataque do Hamas a Israel
 
Ataque do Hamas a Israel: papel do Irã, Rússia e China; fracasso dos aliados


Rússia, China e Irã desempenharam um papel importante no ataque maciço a Israel pelo grupo palestino Hamas no sábado, de acordo com a avaliação das agências de inteligência. A avaliação afirma que, embora o Irã forneça treinamento aberto e apoio político ao Hamas, a Rússia é conhecida por sua proximidade com o Hamas, e a tecnologia chinesa foi fundamental para o ataque.

O grupo islâmico palestino, entrou em Israel por terra, mar e ar em um importante feriado judaico – um sábado e o feriado judaico de Sucot – 50 anos e um dia após a Guerra do Yom Kippur de 1973, que também pegou o país de surpresa. Yom Kipur é o dia mais sagrado do calendário judaico.

O ataque de sábado começou com uma enxurrada de mais de 2.000 foguetes disparados contra Israel. Sob a cobertura dos foguetes, uma operação terrestre em grande escala e cuidadosamente coordenada partiu de Gaza e atacou mais de 20 cidades israelenses e bases do exército adjacentes à faixa. As perdas israelenses, estimadas atualmente em mais de 250 mortos e até 1.500 feridos, certamente aumentarão nas próximas horas e dias.
 
A TURQUIA FORNECEU EXPLOSIVOS AO HAMAS HÁ ALGUMAS SEMANAS

Houve relatos de que a Turquia forneceu explosivos ao Hamas há apenas algumas semanas. Enquanto Israel o interceptou, ninguém falou sobre isso. Além disso, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, chegou a fazer uma visita discreta aos Estados Unidos (EUA), o que não foi falado, segundo a avaliação das agências de inteligência.
“É uma combinação de diferentes falhas. Os parceiros globais, especialmente a Five Eyes, nem sequer uma vez avisaram Israel do ataque”, disseram fontes das agências. “Alguns países europeus têm cooperação com alguns países árabes. Reino Unido, Canadá, Jordânia, Egito, Bahrein, todos falharam com Israel.”

FALHA DA INTEL, VIOLAÇÃO DE FRONTEIRAS, VIOLAÇÃO DE SEGURANÇA  CIBERNÉTICA

A grande questão que emerge é como os aliados de Israel falharam em fornecer inteligência. Dado que a agência de inteligência israelense Mossad tem agentes em todos os lugares, o acúmulo de milhares de foguetes é impossível, disseram fontes.
Outro fator, segundo fontes, é o rompimento de fronteiras. Um Trojan chinês foi usado para falhar em todos os sistemas para que eles pudessem entrar de todas as quatro maneiras.
Houve repetidas violações de segurança cibernética em Israel, com a recente deixando todos chocados.

O MOTIVO

Os cálculos estratégicos do Hamas para lançar o ataque são incertos nesta fase. No entanto, a severidade garantida da retaliação de Israel contra o grupo – e, como consequência, a população civil em Gaza – torna provável que considerações além da vingança estivessem em jogo.
Sequestrar israelenses para troca de prisioneiros com militantes do Hamas presos em Israel, por exemplo, foi um dos objetivos mais desejados das operações militares do grupo no passado. Em 2011, um único soldado israelense, Gilad Shalit, que estava preso em Gaza desde 2006, foi trocado por mais de 1.000 prisioneiros palestinos. Entre esses prisioneiros estava Yahya Sinwar, atual líder do Hamas em Gaza, que cumpriu 22 anos em uma prisão israelense.

Os relatos de dezenas de israelenses sendo capturados no ataque deste fim de semana – muitos deles civis – sugerem que esse pode ter sido um motivo central por trás do ataque. Um número desconhecido de reféns mantidos por horas por militantes do Hamas em duas cidades do sul de Israel foram posteriormente libertados pelas forças especiais israelenses.
Outro objetivo mais amplo para o Hamas pode ter sido minar as negociações em curso entre os EUA e a Arábia Saudita sobre um acordo para normalizar as relações entre o reino e Israel. 
Frustrar essas negociações seria um benefício significativo para o Irã, um dos principais apoiadores do Hamas, e seus aliados. Embora Teerã tenha dito que apoia os ataques do Hamas contra Israel, permanece incerto neste momento se o Irã ou o Hezbollah – o grupo militante no Líbano que tem uma parceria crescente com o Hamas – abrirão frentes adicionais contra Israel nos próximos dias.

Fonte: News18

 

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.

Top Post Ad

Below Post Ad

Ads Section