“E dois dos filhos de Yaakov, Shimon e Levi, irmãos de Diná, cada homem pegou sua espada, e foram à cidade confiantes, e mataram cada varão.” (Bereshit 34:25)

Shimon e Levi são mencionados neste versículo cada qual como “yish”, um homem. O Midrash calcula que essa história ocorreu quase treze anos após o nascimento de Levi, o mais jovem dos dois irmãos e, mesmo assim, Levi é chamado de homem, indicando que com a idade de treze anos ele tinha a maturidade emocional de um homem adulto. Essa é uma das fontes das quais vemos que treze anos é a idade da maioridade pela halachá, lei judaica, quando um menino torna-se um bar mitsvá – responsável por cumprir as mitsvot.

Ironicamente, o contexto no qual Levi é chamado de homem, não significa que ele agisse com o nível de juízo que vem com a maturidade. A chegada daquela idade a Levi, no decorrer da Torá, é notada por meio do relato de como ele e Shimon, calorosamente e bravamente, reagiram ao mal tratamento à sua irmã Diná, incansavelmente colocando em perigo eles mesmos, assim como a sua família.

Isso destaca a verdadeira definição da responsabilidade das mitsvot. Nosso compromisso com as mitsvot é mais estável, certamente, quando podemos entender e apreciar o valor de sua observância, motivo pelo qual a obrigação de observar as mitsvot somente começa quando alguém se torna um “homem”, intelectual e emocionalmente maduro.

No entanto, compreensão e discernimento são apenas as ferramentas – não a fundação – do serviço Divino. A maturidade judaica é baseada em “kabalat ol”, aceitar o jugo Divino e submeter-se à vontade de D'us, independente da sua própria intuição ou “melhor julgamento”. O status de Levi e Shimon como adultos era firme, pois seu senso independente de julgamento crítico, baseava-se firmemente sobre os alicerces de submissão a uma causa mais elevada. Portanto, quando defender seus valores necessitava de risco pessoal e autossacrifício, eles prontamente deixavam de lado seus próprios interesses, e “cada homem pegou sua espada”.

Likutei Sichot, vol. 15, págs. 290-292